Mensagens para a nova estratégia de protesto contra o governo se multiplicam nas redes sociais.

Uma greve branca, onde policiais militares realizam o que chamam de “Operação Legal”, acontece no Ceará após o fim da greve da categoria que durou quase duas semanas e levou o estado a um recorde de assassinatos, além de dezenas de assaltos e “arrastões”. Pelas redes sociais, supostos policiais orientam os colegas como proceder no dia a dia nas ruas, retardando o atendimento e cumprindo estritamente o trabalho de Polícia ostensiva.

Nos casos de prisões em flagrante, por exemplo, os policiais militares estão se recusando a conduzir os presos à Perícia Forense para exame de corpo de delito após a apresentação na delegacia. Em situações de assaltos já consumados, orientam as pessoas a procurar a Polícia Civil para que esta faça a investigação e realiza diligências para prender os ladrões.

Além disso, nos casos de homicídios, os militares se limitam apena a isolar a cena do crime e esperar a chegada da Polícia Civil para que esta faça as diligências na busca pelos assassinos.

Outra orientação é para que os policiais realizem minimamente possível as abordagens nas ruas e as façam somente em casos graves ou urgentes.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e o Comando-Geral da Polícia Militar ainda não se manifestaram sobre o fato. No entanto, nas redes sociais, o movimento por uma “Polícia Legal” vem repercutindo.

Nos acompanhe pelo o Instagram

https://instagram.com/quixeramobim_news?utm_source=ig_profile_share&igshid=pjuhc4khqvfh

Curta nossa página no Facebook

https://www.facebook.com/quixeramobimnews.com.br/