O Sindicato dos Vigilantes do Estado do Ceará (Sindivigilantes) realiza protesto na manhã desta quinta-feira, 16, na Câmara Municipal de Fortaleza, contra demissão em escolas e creches municipais de Fortaleza.

De acordo com a assessoria de imprensa da Casa, cerca de 70 profissionais de segurança participam de ato. Já segundo o Sindivigilantes, o ato contra com 300 manifestantes.

A categoria reuniu-se na porta da Câmara e conseguiu, após negociação, que uma parte tivesse acesso à galeria da Casa. Neste momento, os vigilantes reúnem-se com comissão de vereadores para discutir a pauta.

Na reunião, o vereador Michel Lins (PPS), vice-líder do prefeito Roberto Cláudio (PDT) na Casa, se comprometeu a dar uma resposta à categoria até a próxima terça-feira, 21. Em resposta, o Sindicato disse que, se o retorno não acontecer até o prazo prometido, a categoria deve entrar em greve em todas as escolas e creches municipais. Sindivigilantes ia decidir por greve já nesta quinta, mas decidiu aguardar o prazo.

Ainda de acordo com a assessoria da Câmara, foram receber os manifestantes os vereadores Michel Lins (PPS), vice-líder do prefeito Roberto Cláudio (PDT); a presidente da Comissão de Direitos Humanos, Larissa Gaspar (PPL); Acrísio Sena (PT); Frota Cavalcante (PTN); Julierme Sena (PR); Soldado Noélio (PR); Márcio Martins (PR); e Plácido Filho (PSDB), líder da oposição.

Na semana passada, os vereadores Julierme Sena e Márcio Martins já haviam recebido o Sindijustiça para discutir o tema.

De acordo com Borges da Silva, presidente do Sindicato, os avisos de demissão começaram a ser entregues na última terça-feira, 14. Ele estima que, se eles forem cumpridos, serão entre 250 e 280 vigilantes dispensados até o começo de março. Borges também afirma que, no total, cerca de 700 vigilantes trabalham nas escolas municipais e que, no ano passado, já ocorreram 160 demissões.

“A discussão é ampla, tem a questão do emprego, mas também a questão da sociedade. Você pega hoje, a violência é muito grande, é o trafico que manda em vários bairros, e isso vai acabar trazendo violência para dentro das escolas”, disse.

Resposta da Prefeitura

Veja íntegra da nota da Secretaria Municipal de Educação sobre o caso:

“A Secretaria Municipal da Educação (SME) informa que os vigilantes que estão em aviso prévio fazem parte de um contrato que está sendo encerrado.  As escolas que ficam localizadas em áreas de maior vulnerabilidade permanecerão com o serviço de vigilância, as demais, com porteiros diurno e noturno.
A SME afirma ainda que as escolas continuam assistidas com vigilância eletrônica e Guarda Escolar, que atua com viaturas e agentes da Guarda Municipal no entorno das unidades”.

Governo do Estado

Também nesta manhã, categoria faz manifestação em Juazeiro do Norte, contra demissão dos vigilantes de escolas e órgãos estaduais. O governador Camilo Santana (PT) encontra-se na cidade.

(Colaborou Amanda Araújo)